2º | TURMA C

2011

Em Breve!

2010

Bem, as provocações surtiram efeito em mim e, por isso, decidi comentar a respeito da primeira delas. Não acredito que quando as pessoas – ou muitas delas –  se dizem felizes ou infelizes elas entendam o real significado desses termos. O que seria, verdadeiramente, ser feliz ou infeliz? Os conceitos distorcidos que surgem atualmente acerca dos sentimentos humanos nos impossibilitam chegar a uma conclusão sobre esses signifcados. Talvez, a partir de um conjunto de experiências e após ter “vivido” mais, o individuo consiga distinguir esses estados emocionais de forma mais clara. Talvez, desse modo, ele consiga também diferenciar ser de estar. Afinal, ser triste, ser feliz não é estar triste, estar feliz. Ser e estar… Ser é uma condição. Estar é um estado. “Eu sou feliz”, indica que há coisas que podem me magoar, me deixar triste, mas apesar de tudo: sou feliz! Pode-se afirmar o mesmo em relação à tristeza ou à infelicidade.

Beatriz | Pensando Bem!

. . .

É estranho questionar e não obter respostas. É estranho afirmar que conhece algo quando não se tem verdades absolutas. Mesmo sendo estranho, afirmamos que conhecemos. E o conhecimento é visualizado por nós como algo que é adquirido, podendo o ser em casa, na escola; enfim, na vida. Algo que não é material, mas que pode ser usado para formar matérias. Pode ser amplo ou específico; ambos igualmente importantes. Quando se tem conhecimento, não há apenas compreensão ou entendimento, há também aplicação, porque quem conhece, entende e demonstra em algum momento esse entendimento. Tão confuso quanto compreender tudo isso que acabei de escrever é tentar compreender que é possível aprender sem vivenciar. Aprendemos sobre a I Guerra Mundial, mas não estávamos sequer vivos quando ela aconteceu. Temos conhecimento a respeito de muitos acontecimentos dos quais não fizemos parte.

Manuela | Pensando Bem!

. . .

As palavras feliz e infeliz foram construídas pelo ser humano que também nomeia outros sentimentos e outras realidades. Assim, pode-se concluir que o humano sabe os significados das palavras, pois ele também os criou. Mas não sabe se a palavra condiz com o que realmente é, porque ele não conhece a verdade absoluta e, provavelmete, nunca conhecerá. O ser feliz e o infeliz são classificados por ele como exatos; mas, independente de passar por momentos tristes, minha essência pode ser feliz ou, não importando meus belos sorrisos, minha essência pode ser triste. Na verdade, o estar triste ou alegre são momentâneos. Pode-se perceber que o “estar” pode estar contido no “ser”; porém, o “ser”, de modo algum poderá se submeter ao “estar”. Além disso, deve-se considerar que a ideia de felicidade varia e, desse modo, aquilo que eu compreendo como feliz ou infeliz, triste ou alegre, pode não ser aquilo que você, leitor, compreende.

Manuela | Pensando Bem!

. . .

Toda produção de conhecimento depende de dois fatores decisivos: sentidos e razão. Embora se trave um combate entre Empiristas e Racionalistas, entre as duas correntes filosóficas existe uma relação de interdependência no âmbito da construção de um conhecimento válido. Os sentidos captariam tudos os estímulos possíveis; porém, de nada valeriam se não houvesse a razão para reunir e organizar em ligações e sequências lógicas para podermos chegar a uma conclusão plausível do que realmente são os estímulos. Já a razão organizaria os estímulos e informações, mas só poderia ser comprovada através da experiência. O uso racional e correto desses dois fatores é o que desenvolve grandes pensamentos, conhecimentos e verdades válidas.

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

[poesias]

Você me faz esquecer do mundo
E não há um porque para chorar
Porque aprendi a sorrir com você
E o mundo não vai me fazer te esquecer.

Peço o teus braços
Envoltos nos meus braços
E todos os meus abraços
Serão seus…

Sei que não devia pensar nisso
Mas é preciso encarar a realidade
Tudo na vida passa
A vontade de estar junto
O beijo apaixonado
O abraço mais apertado
As conversas e juras de amor
É, tudo isso passa
Então vamos fazer com que tudo seja diferente
Podemos mostrar ao mundo nosso amor diferente
Podemos cantar uma melodia diferente de todas as outras
Aquela que nunca acaba
A música da nossa história não tem fim
Pois nunca se sabe ao certo
Quem a compôs ou
Quem a está tocando…

Se eu soubesse que seria a última vez
Seria mais eu, pra ter mais você…

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

Não é possível distinguir o que uma pessoa é daquilo que nós pensamos dela, pois as pessoas são para nós apenas aquilo que conseguimos pensar sobre ela.

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

De fato, é muito difícil dizer se somos ou não felizes ou infelizes. Na verdade, entretanto, todos nós acabamos aprendendo esses conceitos com cada situação vivida ao longo da vida. O ruim é que as pessoas estão construindo um ideal de felicidade estereotipado. Elas estão julgando-se felizes ou infelizes com base no que a sociedade estabelece como felicidade ou infelicidade. Felicidade não é só sorrir o tempo todo; ela pode ser também apenas pensar na vida, ou até mesmo chorar. Intuitivamente, acabamos relacionando felicidade com alegria e infelicidade com tristeza, o que é, em parte, errado. É certo que alguns momentos na vida certamente serão felizes, enquanto outros não, mas saber retirar o aprendizado de cada um deles é essencial para definir-se feliz ou não. Ou seja, não estar feliz em um momento não significa que você não seja feliz; afinal, felicidade é uma condição da alma humana.

Andréa Ferreira | Pensando Bem!

. . .

Estive reparando que quando não encontramos respostas para certas perguntas nos limitamos a dizer que não existem respostas. As respostas existem, nós que ainda não as alcançamos. Não as visualizamos porque não estávamos preparados, naquele momento, para visualizá-las ou elaborá-las.  Talvez seja necessário que o ser humano procure vivenciar mesmo sem saber o “por que” , o “de onde” e o “para onde”. No entanto, é preciso se dedicar a pensar em questões como: “por que existo?”, “de onde eu vim?” e “para onde eu vou?”. Acredito que a trajetória é essa, como a de um estudante que primeiro estuda, depois lê o enunciado para, apenas depois, começar a responder suas questões. O que seria dos estudantes se já tivessem domínio da questão? O que seria de nós se já tivéssemos noção do caminho a seguir? Será que nos preocuparíamos com o estudo e com os enunciados? Pior ainda: será que seríamos algo? Afinal, o mistério da nossa existência pode estar altamente ligado ao que antes era mistério e que fora revelado por nós ou para nós. Talvez seja melhor deixar a ordem das coisas do modo como está. Será?

Manuela | Pensando Bem!

. . .

Em uma das aulas de Filosofia, fiquei encarregada de defender a tese moderna do Racionalismo. Realizei a tarefa mesmo pensando que a tese Empirista era a mais apropriada para se produzir conhecimento. No entanto, pesquisando a respeito da primeira teoria, confusa fiquei. Ambas são fortemente fundamentadas. Talvez não haja só um meio para se chegar ao conhecimento verdadeiro, pois a razão e a experiência podem trabalhar perfeitamente juntas apesar de serem diferentes. Eu só não notei isso antes, pois já tinha estabelecido apenas uma opção como verdade.  Errei, porque não existe uma só verdade assim como não existe uma única mentira. O engraçado é que até mesmo nesse texto vejo que posso, novamente, estar cometendo um grave erro, pois mesmo na dita “mentira” pode haver alguma verdade do mesmo modo que em uma dita “verdade” pode haver alguma mentira.

Manuela | Pensando Bem!

. . .

Tua Lembrança

Aqui estou eu, mais uma vez.
Tenho uma coisa pra te dizer
Mas por culpa dessa minha timidez
Eu resolvi escrever

É que eu preciso de você
Que a saudade me sufoca
E já que eu não vou te esquecer
Espero o ano acabar para te ver

Lembro-me de você
Tua lembrança não me deixa esquecer
De tudo que vivemos juntos
Que nós já construimos nosso mundo

Espero por você, em todo o lugar
E cada acorde desse violão desafinado
Traz uma saudade difícil de segurar
Sinto todo meu coração despedaçado

Agora que eu acordo sem te ver
O dia perde a direção
E a noite me mostra toda a escuridão
Que me encontro quando longe de você

Aquilo que a gente sente
Quando olha a quem se ama
Se desprende de um jeito inconsciente
Queima como fogo, acende a chama

Um incêndio em meu coração
Tudo é tão vago sem você comigo
O fogo se espalha por todo o corpo
Traz a sensação de estar contigo

Não existe mais nada pra mim
Só eu e você
Pode ser que isso seja ruim
Mas é que eu me vejo em você
E o seu lugar é ao meu lado

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

Amaldiçoei a Lua

Esta noite quando fui me deitar
Mais longe de ti lembrei estar
E quando olhei para a Lua, me fiz crer
que ela estaria a ver você

Amaldiçoei, invejosa, a Lua
Por ela ter-te como bela vista
Desejei, depois, que ela me perdoasse
E, por mim, de você cuidasse

E ainda assim não consegui dormir
Porque eu só te queria aqui
Chorei ate ver o Sol nascer
E pedi que ele, tambem, cuidasse de você

Fracasso

Pelas bsteiras que fiz
Voltei sua atenção para mim
Pois o que no fundo eu quis
Era que a distância tivesse um fim

Só que não sou como você queria
Jamais lhe dei porque se orgulhar
Eu poderia mudar,
Mas numa mentira eu iria me tornar

Ainda desejo seu orgulho
Num mar de dor, por isso, mergulho
Sentindo que fracassei ao tentar alcançar
O que mais desejei… Pelo que mais lutei.

RECADO: gostaria de divulgar o site em que posto alguns de meus poemas [confeso que são poucos, em relação ao que escrevo]; peço para quem puder, que visite e deixe seu comentário.

http://bwriter.teenbloguer.com/Primeiro-blog-b1.htm

Beatriz | Pensando Bem!

. . .

Tomando como base a provocação sobre o que de fato seria uma verdade, resolvi falar da verdade em sua singularidade, e do modo como ela é interpretada. Uma verdade depende muito de como ela pode ser interpretada, podemos crer em algo que para outro individuo é totalmente adverso. A verdade é o conjunto de fatos e depende, de certa forma, de uma determinada carga histórica que levou o ser humano a rotular tal coisa como verdadeira. Se eu conto uma mentira, ela será uma verdade para o outro até que seja provado o contrário, deixando claro que a verdade e a mentira são a mesma coisa para aquele que esta tomando conhecimento, mas coisas diferentes para aquele que esta transmitindo o conhecimento. Muitas vezes, a verdade pode vir de dentro da pessoa, mesmo com comprovações científicas de que essa “verdade”, de fato, não existe. Para essa pessoa ela constiará a existir, pois ela tem um ideal e argumentos que podem contrariar comprovações científicas. Podemos tomar como exemplo a religião. Muitos perdem tempo e muitas vezes anos da sua vida se perguntando se Deus existe, buscando provas, e mais provas para algo que jamais será respondido por nosso “mundo terreno”. Essa é uma questão de acreditar ou não, uma questão de verdade e valores de cada um, mesmo que a ciência possa provar que o mundo surgiu do “Big Bang”, isso não vai por fim à concepção que um cristão tem da criação, a partir de Adão e Eva. A verdade vai muito além de fatos e comprovações científicas, é algo singular e variável.

Igor Queiroz | Pensando Bem!

. . .

Amamos sem pedir licença e pagamos o preço pela imprudência.

Você é a poesia da minha vida…
Suas palavras me soam como versos…
Envolta no teu manto de melodia…
Tu és a música mais perfeita do universo!

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

Embora nossa sociedade nos confunda, ser feliz e estar alegre tem conceitos distintos. Primeiramente, ser é maior que estar. Entretanto, ser feliz não se resume em estar alegre. Enquanto o último se faz momentâneo, o primeiro se constrói com o tempo. Felicidade é uma condição de espírito assim como a infelicidade. Todavia, para ser feliz precisamos passar por momentos tristes e felizes, pois com eles crescemos para podermos realizar nossos sonhos. Quando alcançamos essa realização nos dizemos felizes; entretanto, continuaremos a sê-lo apenas se soubermos valorizar todos os momentos de nossa vida. É triste saber que nossa sociedade é acostumada a não valorizar as pequenas coisas, pois somos constantemente influenciados a dar importância a futilidades. Quantos de nós ao passarmos por situações difíceis dizemos-nos infelizes? Muitos, porque é do senso comum pensar que ser feliz consiste apenas em estar alegre. A grande diferança, portanto, é que ser é concreto e estar é instantâneo. Agora, gostaria de questionar: Você é feliz? Por quê? Como? Se acha que não é, pense melhor, pois o simples fato de VIVER pode fazê-lo feliz e você ainda não percebeu. Reflita!

Marcela P. Souza | Pensando Bem!

. . .

Felicidade. Esta é uma palavra muito controversa na mente de muitas pessoas ao redor do mundo. O que é felicidade? Sou feliz? O que devo fazer para me tornar feliz? Se não sou feliz, sou infeliz? Diante de tantos dilemas o ser humano, fica desnorteado e sem respostas. Em meu ponto de vista, a felicidade é apenas uma palavra que rotula uma condição de espírito. Até hoje, ainda não consigo exprimir em palavras a singularidade do que é estar feliz. A felicidade pode provir de vários meios. Muitos dizem que dinheiro não traz felicidade, mas existem aqueles que encontram a felicidade em poder financeiro. O que é bom para mim pode ser ruim para você. Ser feliz é algo muito intimo. É sorrir, é chorar, é fazer suas emoções aflorarem, é perder o controle dos seus sentimentos e ser tomado por algo inédito a cada vez que se realiza. Não sabemos o que é felicidade, mas sabemos quando a sentimos e podemos dizer que estamos felizes. Mesmo não tendo conhecimento do significado do conceitode felicidade forjado por nós, temos momentos de felicidade: é como afirma a frase: “se a rosa não for chamada de rosa, terá ela o mesmo perfume?” Eu acredito que sim. Não ser feliz não significa ser infeliz. A infelicidade é muito subjetiva, vai de encontro com os valores de cada pessoa. Portanto, felicidade e infelicidade variam de acordo com os valores das pessoas. Penso que infelicidade e tristeza podem ou não ser sinônimos, mas ambas refletem algo adverso à felicidade.

Igor Queiroz | Pensando Bem!

. . .

Acredito que, originariamente, todos nós surgimos de um estado puro de felicidade. Assim, a felicidade estaria em nossa essência. Estaria em nosso interior, em nossa consciência. Basta observarmos com atenção o nosso “eu interior” e termos a coragem de viver conforme o que verdadeiramente somos . Então, a felicidade flui, porque nossa vida se ajusta ao que nós somos. No entanto, ao longo de nossa jornada existencial, fazemos escolhas e são estas “escolhas”, possibilitadas por nosso livre arbítrio, que proporcionam situações de felicidade ou de infelicidade. Então, por este prisma, o “ser feliz” ou o “ser infeliz” é uma decisão nossa ou simplesmente o fruto de como encaramos os revezes da vida. O fato é que não devemos condicionar este “ser feliz” ou “ser infeliz” a necessidades de cunho financeiro, vida amorosa ou social.

Paulo Matheus | Pensando Bem!

. . .

Não vamos deixar a Guerra começar!
O Amor, a Paz e a Harmonia terão o seu lugar!
Vamos parar para bem pensar…
Acreditar que nosso dia pode e vai chegar!

Ian Branco | Pensando Bem!

. . .

Restringindo os nossos sentidos (visão, tato, audição e olfato), acredito que o simples pensamento é algo que pode ser considerado anterior à experiências sensoriais. No entanto, a razão tem a faculdade de organizar e ordenar estas experiências, estabelecendo um sentido. Quanto à questão da experimentação e da intelecção, acredito que o conhecimento advém do que intuímos, experimentamos, da compreensão de nossas experiências e descobertas frente aos fatos.

Paulo Matheus | Pensando Bem!

. . .

Tempos atrás, li que a verdade é algo que percebemos através do que consideramos falso. Hoje eu acredito que é por aí mesmo. Penso também que este “algo” é valioso e importante, porque dá sentido e coerência às nossas vidas. No entanto, para nos aproximarmos da verdade é necessário que haja uma certa harmonia entre a realidade em si mesma e o que pesamos sobre ela; entre a realidade que vivemos e aquilo afirmamos sobre ela. Sem essa interação tudo pode soar falso e instável. Seguindo o raciocínio, percebemos que a verdade, por estar diretamente ligada à realidade, é passível de transformações. O que pensamos hoje como verdade pode ser ultrapassada e modificada amanhã. Portanto, a verdade que alcançamos hoje, é apenas parte de uma verdade absoluta. Por conta disso, acredito que a consciência humana precisa compreender a verdade como algo relativo.

Paulo Matheus | Pensando Bem!

. . .

Anúncios

1 Comentário

  1. Adailson | Prof. | said,

    Êita gente inteligente que me enche de orgulho!
    Não sei se choro de plena alegria ou se apenas sorriu da mais absoluta felicidade por ter a sorte de poder fazer parte da vida de vocês.
    Sei apenas que me emociono, e muito!
    Parabéns!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: